CompuNet seu provedor de internet com qualidade
Mortes

222 pessoas só este ano já morreram de gripe

H1N1 é responsável pela maioria das mortes

05/07/2019 19h37
Por: Edinardo Pinto
Fonte: gauchazh.clicrbs.com.br
220
Pessoas com gripe / Foto: Divulgação
Pessoas com gripe / Foto: Divulgação

O vírus da gripe já matou 222 pessoas neste ano em todo o Brasil segundo o balanço mais recente do Ministério da Saúde, com dados até 25 de maio. A maior parte das mortes por influenza foi causada pelo subtipo A (H1N1): 148, 66,6% do total de óbitos. 

O número de casos caiu em relação ao mesmo período do ano passado. Em 2018, foram 335 mortes por gripe até a semana epidemiológica 21. Dessas, 218 haviam sido causadas pelo H1N1, ou seja, 65%. Esse subtipo viral tem uma virulência alta e é facilmente transmitido. 

Surtos de gripe em Goiás e no Ceará impulsionaram as altas taxas registradas um ano atrás, observa a médica Nancy Bellei, consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia — foram 338 no primeiro e 300 casos no outro.

A suscetibilidade da população à contaminação, a temperatura do local e a rede de assistência médica disponível são fatores que ajudam a explicar a maior ou menor incidência nas diferentes regiões do país. Apesar da redução em um ano, a especialista diz que é cedo para comemorar. 

— Ainda vamos entrar no inverno. Não sabemos a eficácia das vacinas (que são atualizadas todo ano por causa das mutações do influenza) e as consequências do atraso na aderência vacinal por parte de grupos de risco — afirma ela. 

O Ministério da Saúde não atingiu, neste ano, a meta de vacinar 90% do grupo prioritário entre 10 de abril e 31 de maio. A cobertura ficou em torno de 80%. O grupo inclui categorias como gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), crianças de seis meses a menores de seis anos e idosos. 

São Paulo lidera o ranking de contaminações por influenza neste ano, com 244 casos — destes, 16 foram fatais. Em comparação com 2018, houve redução: no mesmo período, haviam sido registrados 462 casos e 71 óbitos. O Sudeste é a região com a maior quantidade de registros de contaminação por influenza: 412. É seguido pelas regiões Nordeste (267), Norte (252), Sul (224) e Centro-Oeste (92). 

Estados abastecidos com fosfato de oseltamivir

Os estados do Amazonas e do Paraná lideram a lista de estados com mais casos fatais da doença, com 35 óbitos cada. São seguidos por Rio de Janeiro (26) e São Paulo (16). Entre os mortos, 81,5% apresentavam fator de risco, segundo o Ministério da Saúde. Os grupos com maiores taxas de óbito foram idosos (39,2%), diabéticos (27,1%), pessoas com doença cardiovascular crônica (26,5%) e crianças de até cinco anos (19,3%). 

Para quem estiver gripado, o Ministério da Saúde diz, em nota, que todos os estados estão abastecidos com o fosfato de oseltamivir, usado para tratamento e profilaxia da doença. A pasta afirma que foram enviadas cerca de 9,5 milhões de unidades aos governos locais. A recomendação é que o tratamento seja realizado nas primeiras 48 horas após o início dos sintomas.

Entenda a doença

Influenza

Vírus da gripe, tem diferentes subtipos, como A (H1N1), A (H3N2) e B.

Sintomas 

Falta de ar, cansaço e febre são sinais de uma possível contaminação pelo vírus. A recomendação é buscar ajuda médica nesses casos, especialmente se a pessoa estiver em algum grupo de risco.

Vacina

A trivalente, disponível no SUS, protege contra o H1N1, O H3N2 e o B Victoria, os mais comuns no Hemisfério Sul. Já a quadrivalente, ofertada em clínicas particulares, protege contra mais um subtipo do B, o Yamagata, e custa em torno de R$ 100. Em ambos os casos, a dose é única e anual.

Mudança

Como o vírus da gripe sofre constante mutação, a vacina é atualizada pelo governo todo ano. Neste ano, a trivalente sofreu mudança em duas das três cepas que fazem parte da sua composição.

Quem deve se vacinar 

A recomendação é que toda a população tome a vacina. Principalmente gestantes, puérperas (mulheres até 45 dias após o parto), crianças entre 6 meses a menores de 6 anos e idosos.

Prevenção

A recomendação de especialistas é se vacinar, higienizar bem as mãos com água e sabão, ter sempre álcool gel em mãos, manter ambientes bem ventilados e evitar contato com pessoas contaminadas.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários